Recordes do Agronegócio

Segundo dados do Boletim da Balança Comercial do Agronegócio, divulgado no mês passado pela Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio (SRI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o agronegócio registrou um novo recorde de vendas para o mercado mundial, com um aumento de 5% quando comparado com o mesmo período do ano anterior.

O principal fator ao qual se credita esta elevação das vendas foi o crescimento das exportações, que aumentou em mais de 4%. O agrosetor representou 43% das vendas externas brasileiras no período, mostrando ser de vital importância para a economia nacional.

A principal responsável por estes números é a soja (grão, farelo e óleo), tendo participação de mais de 80% do valor exportado pelo segmento, sobretudo se levarmos em conta a quantidade recorde de exportação: mais de 55 milhões de toneladas.

Em segundo lugar entre os principais segmentos do agronegócio estão os Produtos Florestais, com alta de 27%. O principal produto exportado foi a celulose, com um crescimento de 40%, com recorde de 9 milhões de toneladas.

Estes excelentes resultados podem ser creditados, em parte ao aumento da demanda pelos principais importadores do agro brasileiro. Muitos países que já importavam, aumentaram a demanda. Outros que ainda não negociavam com o Brasil de forma expressiva, passaram a negociar, seja pelo aumento de pode aquisitivo, seja pelo aumento populacional ou pela mudança de hábitos da população.

A Ásia, por exemplo, que em 1997 tinha uma participação de 16% nas exportações, hoje ultrapassa os 50%. Outros países importadores também aumentaram significativamente sua participação: Turquia (106%), Coreia do Sul (26%), Argentina (25%), França (17%) e Hong Kong (16%).

Entretanto, este excelente resultado não é apenas fruto da demanda internacional. É possível afirmar que o agronegócio passa por uma excelente fase graças ao aumento na produção, amparado pelo investimento na área, novas tecnologias e preocupação com a qualidade para atender aos mais diferentes mercados internacionais.

É fato que mudanças culturais em diversos países, sobretudo no que diz respeito à alimentação, somadas a aumento populacional fizeram aumentar a demanda por determinados itens. Porém, este aumento também ocorreu por merecimento do Brasil, que foi escolhido como exportador em função da sua competência na produção e distribuição e também pelos preços competitivos que consegue pratica.

Por isso, o mérito é sim do Brasil e do brasileiro. O país soube investir, incentivar e manter relações internacionais amistosas com seus compradores. Os produtores souberam zelar pela qualidade, buscar inovação e acreditar no potencial do agronegócio. Hora de comemorar esta conquista!

Etiquetas: ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *